Slide 1

Atualizações Recentes

Nuredam/UERJ

Busca

A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | R | S | T | U | V | W | Y | Z

BACHELARD, Gaston. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BADO, A. L. Das vantagens comparativas à construção das vantagens competitivas: uma resenha das teorias que explicam o comércio internacional. Revista de Economia e Relações Internacionais / FEC-FAAP. São Paulo, Vol. 3, n. 5, p. 05-17, 2004.

BAETA, Anna Maria Bianchini, SOFFIATTI, Arthur, LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo, LIMA, Gustavo Ferreira da Costa, PASSOS, Luiz Augusto, SORRENTINO, Marcos, SATO, Michèle, BRUGGER, LAYRARGUES, Philippe Pomier, CASTRO, Ronaldo Souza. Educação Ambiental: repensando o espaço da cidadania. São Paulo: Cortez, 2002. 

BADESCU, Horia e NICOLESCU, Basarab (orgs.). Stéphane Lupasco: o homem e a obra. São Paulo: Triom, 2000.

BARBIER, René. A pesquisa-ação. Brasília/DF: Liber Livro Editora, 2007. (série pesquisa v. 3)

BARCELLOS, P. A. de O. et al . As representações sociais dos professores e alunos da Escola Municipal Karla Patrícia, Recife, Pernambuco, sobre o manguezal. Ciênc. educ. (Bauru),  Bauru,  v. 11,  n. 2, Aug.  2005 .   Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-73132005000200005&lng=en&nrm=iso>. access on  25  Mar.  2013. 

BARDIN, L.. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BARROS, A. P.; LEHFELD N.A.S. Fundamentos de metodologia. São Paulo: McGraw-Hill, 1986.

BARROS, A. C. A influência do IPAM na política de prevenção de incêndios florestais e queimadas agrícolas acidentais na Amazônia.  In: LITTLE, Paul E. Políticas ambientais no Brasil: análises, instrumentos e experiências. São Paulo: Peirópolis; DF: IIEB, 2003.

BARROS, V. M.; MELLO, Maria F.; SOMMERMAN, A. Educação e transdisciplinaridade I. Brasília: Triom/UNESCO, 2000. 

BARROS, V. M.; MELLO, Maria F.; SOMMERMAN, A. Educação e transdisciplinaridade II. São Paulo: Triom/UNESCO, 2002.

BARROS,A.J.P.;LEHFELD, N. A. de S. Fundamentos de metodologia: um guia para a iniciação científica. 3ª ed. São Paulo: Makron Books, 2000.

BASTOS, R. L. & SOUZA, M.C. Normas e Gerenciamento do Patrimônio Arqueológico. São Paulo: IPHAN, 2008.

BASTOS, L. R.; PAIXÃO, L.; FERNANDES, L. Manual para a elaboração de projetos, relatórios de pesquisa, teses e dissertações. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1982.

BAUER, M.; GASKELL G. (ed.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis, Vozes, 2002.

BAZÍLIO, Luiz Cavalieri. Conclusão: Avaliando a Implantação do Estatuto da Criança e do Adolescente. In:Crianças e Adolescentes no Centro da Cenatrajetória e consolidação de um grupo de pesquisa. Rio de Janeiro: Ravil Editora, 2001.

BECK, Ulrich. Ecological Politics in an Age of Risk. Cambridge: Polity Press. 1995.

BECK, Ulrich. Risk Society: towards a New Modernity. London: Sage, 1992.

BENSAÏD, Daniel. Marx, o intempestivo: grandezas e misérias de uma aventura crítica (séculos XIX e XX). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

BERLINK, D. O nó do clima: grandes poluidores não chegam a metas concretas contra o aquecimento global.  O Globo, Rio de Janeiro, 10 jul. 2009. Ciência, p. 31.

BERNARDO, M. Políticas públicas e sociedade civil. In: BURSZTYN, M. A difícil sustentabilidade: política energética e conflitos ambientais. Rio de Janeiro: Garamond, 2001, p. 41-58.

BINGHAN, Gail. Resolving Environmental Disputes: a Decade of Experience in Resolving Locational Conflict, Lake. New Jersey: R.W. ed.; Center for Urban Policy Research. 1986. 

BLAUG, Mark. A metodologia da economia, ou, como os economistas explicam. 2. ed. São Paulo: Edusp, 1993.

BLOOR, David. ‘Durkheim and Mauss Revisited: Classification and the Sociology of Knowledge’, Studies in the History and Philosophy of Science13, p. 267-97. 1982. 

BOFF, Leonardo. Nova era: a civilização planetária. São Paulo: Ática, 1994.

_______. Ética da Vida. Brasília: Letra Viva, 1999.

_______. Ecologia Mundialização Espiritualidade, São Paulo: Ática, 1996.

_______. Ecologia: Grito da Terra, Grito dos Pobres2 ed., São Paulo: Ática, 1996.

_______. Princípio-Terra - A Volta à Terra como Pátria Comum, São Paulo, Ática Editora S/A, 1995.

_______. Saber cuidar: ética do humano – compaixão pela terraPetrópolis, RJ: Vozes, 1999.

_______. Ethos Mundial. Um consenso mínimo entre os humanosBrasília: Letra Viva, 2000.

_______. (2007), História da Sustentabilidade. Disponível em http://leonardoboff.com./site/vista/2007/nov30.htm. Acesso em 03/02/2013.

BOHR, Niels. Física atômica e conhecimento humano: ensaios 1932- 1957. Rio de Janeiro: Contraponto, 1995

BOOT, W.C.; et al. A arte da pesquisa. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

BORON, Atílio A. Estado, capitalismo y democracia em America Latina. Buenos Aires: Clacso, 2004.

BOUDES, Philippe. L’environnement, domaine sociologique. Tese de Doutorado - Université Bordeaux 2 – Mention Sociologique. Avril, 2008. 

BOULDING, K. La economia de la nave espacial Tierra. In: DALY, H. (comp.). Economia, ecologia, ética. México: FCE. [1980] 1989

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

BOURDIEU, P.; CHAMBOREDON, Jean-Claude; PASSERON, Jean-Claude. A profissão do sociólogo: preliminares epistemológicas. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

BOVO, Marcos Clair. Interdisciplinaridade e Transversalidade como dimensões da ação pedagógica. Revista Urutágua, Maringá. n. 7. http://www.uem.br/urutagua/007/07bovo.htm

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O trabalho de saber: cultura camponesa e escola rural. São Paulo : FTD, 1990.  

_______. Casa de escola: cultura camponesa e educação rural. Campinas: Papirus, 1983. 

_______. Da escola rural de emergência à escola de ação comunitária: da escola carente à escola possível. São Paulo: Loyola, 1986. P. 127-153.

_______. Pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, 1982.

_______. Repensando a pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BRANDÃO, Elias Canuto. Educação do campo: pedagogia da sobrevivência. Comunicações, Piracicaba, vol. 5, n. 2, p. 205-213, nov. 1998.

BRANDENBURG, Alfio. Do rural tradicional ao rural socioambiental. In: XII Congresso Brasileiro de Sociologia. Anais..., Belo Horizonte, 2005. 

BRAUDEL, Fernand. História e Ciências Sociais. Lisboa: Editorial Presença, 1986.

BRASIL. Lei nº 9.433, de 08/01/1997. Política Nacional de Recursos Hídricos e criação do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos.

BRASIL. Lei nº 9.795Política Nacional de Educação Ambiental. Brasília/DF: Presidência da República, 1999.

BRASIL. Lei nº 9.984, de 17/07/2000. Criação da Agência Nacional de Águas - ANA, entidade federal de implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos e de coordenação do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos.

BRASIL. Lei nº 12.305, de 2/08/2010. Política Nacional de Resíduos Sólidos.

BRASIL. Plano Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS (2010). Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm>

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais.  Brasília/DF: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. LDB – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Brasília, DF, Publicada no Diário Oficial da União, Seção 1, de 23 de dezembro de 1996, p. 27833.

BRASIL. Pensar o Ambiente: bases filosóficas para a Educação Ambiental. Organização: Isabel Cristina Moura de Carvalho, Mauro Grün e Raquel Trajber. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, UNESCO, 2009. 

BRASIL. Manual Escolas Sustentáveis. Resolução CD/FNDE nº. 18, de 21/05/2013.

BRASIL. Ministério das Cidades – Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental – Sistema Nacional de Saneamento Ambiental (SNIS) – Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos. 2009. Brasília, 2008.

BRASIL. Consumo sustentável: manual de educação. Brasília: Consumers International/ MMA/IDEC, 2005.

BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. IBAMA.  Para Um Futuro Sustentável – Uma Visão Transdisciplinar Para Uma Ação Compartilhada. Brasília DF.: IBAMA, 1999. 

BRASIL. Educação para um futuro sustentável.  Uma visão transdisciplinar para ações compartilhadas. Conferência Internacional sobre Meio Ambiente e Sociedade: educação e conscientização pública para a sustentabilidade. Edições IBAMA, Brasília, 1999. 

_______. Ministério do meio ambiente. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Programa Nacional de Educação Ambiental – ProNEA. Brasília, 2004. 

BRETT, C.; FOSTER, J.B. A dialética do metabolismo social e ecológico: Marx, Mészaros e os limites absolutos do capital. In: JINKINGS, I. NOBILE, R. (orgs.). Istévan Mészáros e os desafios do tempo histórico.  São Paulo: Boitempo, 2011.

BRITO, A. M. R. de et al . Representações sociais de discentes de graduação em enfermagem sobre "ser enfermeiro". Rev. Bras. Enferm.,  Brasília,  v. 64,  n. 3, June  2011 .   Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672011000300017&lng=en&nrm=iso>. access on  31  Mar.  2013.

BRUCKNER, Pascal. A euforia perpétua: ensaios sobre o dever da felicidade. Tradução Rejane Janowitzer. Rio de Janeiro: DIFEL, 2010.

BRÜGGER, Paula. O vôo da águia. Educar, Paraná, n. 27, p. 75-91, 2006. Ed. UFRP.

BRUYNE, Paul de; HERMAN, Jacques; SCHOUTHEETE, Marc de. Dinâmica da pesquisa em ciências sociais. 5ª ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1991.

BUARQUE, Cristovam. A desordem do progresso. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

BUNGE, M. La ciencia. Su método y su filosofía. Barcelona: Editorial Ariel, 1972.

_______. Epistemologia. São Paulo: Edusp, 1980.

BURSZYN, M. (org.) Ciência, Ética e Sustentabilidade – desafios ao novo século. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

BURSZTYN, M. A difícil sustentabilidade: política energética e conflitos ambientais. Rio de Janeiro: Garamond, 2001, p. 41-58.

BUTTEL, Frederick H. A sociologia e o meio ambiente: um caminho tortuoso rumo à ecologia humana. Perspectivas, São Paulo, n. 15, p. 69-94. 1992.

BUTTEL, Frederick H.; HUMPHREY, Craig R. Sociological Theory and the Natural Environment. In: DUNLAP, Riley E.; MICHELSON, William. (ed). Handbook of Environmental Sociology. Westport, CT: Greenwood Press. p. 33–69. 1982.

Núcleo de Referência em Educação Ambiental

Universidade do Estado do Rio de Janeiro | Campus Maracanã
Rua São Francisco Xavier, 524 | Pavilhão João Lyra Filho
Faculdade de Educação, 12° andar, Bloco F, Sala 12.005
+55 (21) 2334-0824 / 2334-0825 | This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.