Slide 1

Atualizações Recentes

Nuredam/UERJ

Busca

A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | P | Q | R | S | T | U | V | Z | Referências

ACSELRAD, Henri. As práticas espaciais e o campo dos conflitos ambientais. In: ACSELRAD, Henri. Conflitos ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Fundação Heinrich Böll, 2004.

ACSELRAD, Henri. As práticas espaciais e o campo dos conflitos ambientais. In: ACSELRAD, Henri. Conflitos ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Fundação Heinrich Böll, 2004

ACSELRAD, Henri. Tecnologias sociais e sistemas locais de poluição. Horizontes Antropológicos, v. 25, p. 117-138, 2006.

_______. Vulnerabilidade ambiental, processos e relações. Comunicação ao II Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais, FIBGE, Rio de Janeiro, 24/8/2006

ALIER, Joan Martinez. O ecologismo dos pobres: conflitos ambientais e linguagens de valoração. São Paulo: Contexto, 2008.

_______. Da economia ecológica ao ecologismo popular. 3. ed, Blumenau: FURB, 1998.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2006.

ALVES, H.P.F. Vulnerabilidade socioambiental na metrópole paulistana: uma análise sociodemográfica das situações de sobreposição espacial de problemas e riscos sociais e ambientais. Revista Brasileira de Estudos de População, São Paulo, v. 23, n. 1, p. 43-59, jan./jun. 2006.

ALVES, D. e PERALVA, L. M. Olhar perceptivo: percepção, corpo e meio ambiente. Brasília: IBAMA, 2010.

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2005.  

BERMAN, Marshall. Tudo o que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

BENNETT, John W. Human ecology as human behavior: essays inenvironmental and development anthropology. New Brunswick: Transaction, 1993.

BERNA, Vilmar Sidnei Demaman. Pensamento ecológico: reflexões críticas sobre meio ambiente, desenvolvimento sustentável e responsabilidade social. São Paulo: Paulinas, 2005.

BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de Filosofia. Brasília: Universidade de Brasília: São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2000.

BORDENAVE, J.D. O que é participação? São Paulo: Brasiliense, 1985.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

_______. A economia das trocas simbólicas. 6. ed. São Paulo: Perspectiva,2005.

BORON, Atílio A. (org.) Filosofia Política Moderna: de Hobbes a Marx. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales – Clacso; San Pablo: Depto. De Ciência Política - FFLCH – Universidade de São Paulo, 2006.

BOSI, Alfredo. Cultura brasileira. In: MENDES, Durmeval Trigueiro. Filosofia da Educação Brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1987.

BRASIL, Ministério da Saúde. Comunicação e Educação em Saúde. Glossário do Ministério da Saúde: projeto de terminologia em Saúde. Série F. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. 

CARNEIRO, Eder Jurandir. Conflitos ambientais no Estado do Rio de Janeiro: associativismo e significados sociopolíticos. Revista Rio de Janeiro, n. 16-17, mai-dez, 2005.

CARVALHO, Isabel Cristina Moura. Os sentidos de “ambiental”: a contribuição da hermenêutica à pedagogia da complexidade. In: LEFF, Enrique (cord.). A Complexidade Ambiental. São Paulo: Cortez, 2003, p.99-177.

CARVALHO, L C. de M. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2004.

CASTELLS, M. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CASTORIADIS, Cornelius. A instituição imaginária da sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2007.

CASTORlADIS, C. e COHN-BENDICT, D. Da Ecologia à autonomia. São Paulo: Brasiliense, 1981. 

CASTRO, Cleber Marques de; PEIXOTO, Maria Naíse de Oliveira & RIO, Gisela Aquino Pires. Riscos Ambientais e Geografia: Conceituações, abordagens e escalas. Anuário do Instituto de Geociências – UFRJ. Vol.28-2 / p.11-30. 2005.

CHAUI, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo: Editora Ática, 1995.

_______. O que é ideologia. 8a reimpressão da 2. ed., São Paulo:Brasiliense, 2006.

_______. La historia en el pensamiento de Marx. In: BORÓN, A.;AMADEO, J. e GONZÁLEZ, S. (Orgs.) La teoria marxista hoy: problemas y perspectivas. Buenos Aires: CLACSO, 2006a. 

CHESNAIS, F. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.  

COUTINHO, C. N. A democracia na batalha das ideias e nas lutas políticas do Brasil hoje. In: FÁVERO, O. e SEMERARO, G. (Orgs.) Democracia e construção do público no pensamento educacional brasileiro. Petrópolis: Vozes, 2002. 

CRISONI, Dominique e MAGGIONI, Robert. Ler Gramsci. Lisboa: Iniciativas Editoriais, 1974.

CNUMAD. Agenda 21 - Conferência das Nações Unidas sobre meio ambiente e desenvolvimento. Brasília: Senado Federal, 2001.

CONKLIN, Harold C. An ethnoecological approach to shifting agriculture. Transactions of the New York Academy of Sciences, v. 17, n. 2, p.133-142, 1954.

CUNHA, Antonio Geraldo da. Dicionário etimológico da língua portuguesa. Assistentes: Cláudio Mello Sobrinho et al. Rio de Janeiro: Lexikon Editora Digital, 2007. 

DAGNINO, E. Sociedade civil, participação e cidadania: do que estamos falando? In: MATO, D. (Org.). Políticas de ciudadania y sociedad civil en tiempos de globalizacion. Caracas: Faces, 2004. 

DEMO, P. Participação é conquista. São Paulo: Cortez, 1988. 

DIEGUES, Antonio Carlos S. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Hucitec, 1998.

DUPUY, J. P. Introdução à critica da ecologia política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980. 

DUSSEL, E. 20 teses de política. Buenos Aires: CLACSO; São Paulo: Expressão Popular, 2007. 

ELIADE, Mircea. Aspectos do mito. Lisboa: Edições 70, 2000. (Coleção Perspectivas do homem).

ESCOBAR, Arturo. Depois da natureza. Passos para uma Ecologia Política antiessencialista. In: Políticas públicas ambientais latino-americanas. Clélia Pereira e Héctor Alimonda (organizadores). Brasília: Flacso-Brasil, 2005.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. 2. ed. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2008.

FAORO, R. Os donos do poder. São Paulo: Globo, 2001.

FAUSTO, R. Marx. Lógica e política II. São Paulo: Brasiliense, 1987. 

_______. Marx. Lógica e política III. São Paulo: Editora 34, 2002.

FOLADORI, G. Degradação ambiental no socialismo e no capitalismo. São Paulo, Revista Outubro, n. 13, segundo semestre de 2005.

_______. Limites do desenvolvimento sustentável. Campinas: Edunicamp, 2001.

FONTES, V. Sociedade civil no Brasil contemporâneo: lutas sociais e luta teórica na década de 1980. In: LIMA, J. C. F. e NEVES, L. M. W. (Orgs.) Fundamentos da educação escolar do Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Editora da Fiocruz, 2006.

FOSTE R, J. B. Ecology against capitalism. New York: Monthly Review Press, 2002.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

FREITAS, L. C. de. Uma pos-modemidade de libertação: reconstruindo esperanças. Campinas: Autores Associados, 2005.

GORZ, A. Ecologia e política. Lisboa: Notícias, 1976. 

GRAMSCI, Antonio.Introdução ao Estudo da Filosofia e do Materialismo Histórico. In: Concepção Dialética da História. Rio de Janeiro, Editora Civilização Brasileira, 1984.

GRAMSCI, Antonio. Obras escolhidas. São Paulo: Martins Fontes, 1978.

HARVEY, D. Espaços de esperança. São Paulo: Loyola, 2005.

_______. O novo imperialismo. São Paulo: Edições Loyola, 2004.

HOUTART, F. Los movimientos sociales y Ia construcción de un nuevo sujeto histórico. In: BORON, A.; AMADEO, J.; GONZÁLEZ, S. (Orgs.). La teoria marxista hoy: problemas y perspectivas. Buenos Aires: CLACSO, 2006. 

JONAS, H.  El Principio de Responsabilidad: Ensayo de una ética para la civilización tecnológica. Barcelona: Herder, 1995.

KINSLEY, David. Ecology and religion: ecological spirituality in cross-cultural perspective. Englewood Cliffs: Prentice-Hall, 1995.

KOVEL, J. The enemy ofnature: the end of capitalism or the end of the world? London: Zed Books, 2008. 

KRUEL, V. S.; PEIXOTO, A. L. Etnobotânica na Reserva Extrativista Marinha de Arraial do Cabo. Acta Bot. Bras. 18 (1): 177-190, 2004.

LEFF, Enrique. La ecologia política em América Latina: um campo em construcción. In: Los tormentos de la materia. Aportes para una ecología política latinoamericana. Alimonda, Héctor. Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2006.

LEHER, R. Iniciativa para a integração da infraestrutura regional da América Latina, plano de aceleração do crescimento e questão ambiental: Desafios Epistêmicos. In: LOUREIRO, C. F. B. (Org.). questão ambiental no pensamento critico: natureza, trabalho e educação. Rio de Janeiro: Quartet, 2007.

LIMA, G. F. da C. Formação e dinâmica do campo da educação ambiental no Brasil: emergências, identidades e desafios. Tese de doutorado. Campinas: Unicamp, 2005.

LITTLE, P. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Brasília: Departamento de Antropologia da UnB, 2002. 

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Disciplinas e integração curricular: histórias e políticas. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

LOPES, Alice Casimiro. Políticas de Integração Curricular. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2008.

LOUREIRO, Carlos Frederico (org.). Educação Ambiental no contexto de medidas mitigadoras e compensatórias de impactos ambientais: a perspectiva do licenciamento. Secretaria do Meio Ambiente; Instituto do Meio Ambiente. Salvador: IMA, 2009.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Sustentabilidade e educação: um olhar da ecologia política. São Paulo: Cortez, 2012. (Coleção questões de nossa época; v. 39).

_______. Trajetória e fundamentos da educação ambiental. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

_______.  "Educação ambiental e 'teorias críticas"; In: GUIMARÃES, M. (Org.). Caminhos da educação ambiental: da forma à ação. 3. ed. Campinas: Papirus, 2008.

_______. Problematizando conceitos: contribuição à práxis em educação ambiental. In: LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P. e CASTRO, R. S. de. Pensamento complexo, dialética e educação ambiental. São Paulo: Cortez, 2006. 

_______. O movimento ambientalista e o pensamento crítico: uma abordagem política. 2. ed. Rio de Janeiro: Quartet, 2006a.

_______. Educar, participar e transformar em educação ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental, V. 1, n. 1, Brasília, 2004.

LOUREIRO, C. F. B.; AZAZIEL, M. e FRANCA, N. Educação ambiental e conselho em unidades de conservação: aspectos teóricos e metodológicos. Rio de Janeiro: Ibase, 2007. 

LOUREIRO, Wilson. ICMS ecológico, a oportunidade do financiamento da gestão municipal ambiental no Brasil. www.icmsecologico.org.br

LÓWY, M. Ecologia e socialismo. São Paulo: Cortez, 2005. 

_______. (Org.). Écologie et socialisme. Paris: Syllepse, 2005a.

LUKÁCS, G. Prolegômenos: para uma ontologia do ser social. São Paulo: Boitempo, 2010. 

KUMAR, Krisham. Da sociedade pós-industrial à pós-moderna: novas teorias sobre o mundo contemporâneo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1997.

MANSHOLT, S.; MARCUSE, H. et alii. Ecologia: caso de vida ou de morte. Lisboa: Moraes, 1973.

MARCUSE, H. A ideologia da sociedade industrial. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

MARX, K. O dezoito brumário de Louis Bonaparte. São Paulo: Centauro, 2003.

_______. A ideologia Alemã. São Paulo: 1987.

MÉSZÁROS, István. O poder da ideologia. São Paulo: Boitempo Editorial, 2004. 

_______. O desafio e o fardo do tempo histórico. São Paulo: Boitempo, 2008. 

_______. Para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2002.

_______. Produção destrutiva e estado capitalista. São Paulo: Ensaio, 1989. 

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Secretaria Executiva. Departamento de Articulação Institucional. Gestão Ambiental Compartilhada. Discussão: Licenciamneto Ambiental de Empreendimentos e Atividades com características de Impacto Local e os critérios para os Municípios exercerem a Gestão Ambiental.

_______. Primeiro Relatório Nacional para Conversão sobre Diversidade Biológica. Brasília, 1998. 

MONTAÑO, C.; DURIGUETTO, M. L. Estado, classe e movimentos sociais. São Paulo: Cortez, 2011. 

MOREIRA NETO, Diogo de Figueiredo. Direito da Participação Política: legislativa, administrativa, judicial. Rio de Janeiro: Renovar, 1992.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

NASCIMENTO, Elimar Pinheiro do. Trajetória da sustentabilidade: do ambiental ao social, do social ao econômico In: Estudos Avançados/Universidade de São Paulo, Instituto de Estudos Avançados. Vol.1, n. 1 (1987) – São Paulo: IEA, 1987.

NEFFA, Elza & SILVA, Elmo Rodrigues. O saber ambiental e a ressignificação da realidade. In: CAMELLO, Thereza (org.). Educação Ambiental. Rio de Janeiro, 2010 (no prelo).

NEFFA, Elza; OLIVEIRA, Gessé. Relatório de Pesquisa Educação, Meio Ambiente e Parâmetros curriculares – estudo na região do Médio Paraíba. Rio de Janeiro: CNPq/FAPERJ, 2004.    

NEFFA, Elza & SILVA, Elmo Rodrigues. O saber ambiental e a ressignificação da realidade. In: CAMELLO, Thereza (org.). Educação Ambiental. Rio de Janeiro, 2010 (no prelo).

NEFFA, Elza & RITTO, Antonio Carlos. ALMAS – Alternativas Metodológicas em Ambiente e Sociedade. VI Congreso Iberoamericano de Educación Ambiental. San Clement de Tuyo/ Argentina, set/2009.

NETTO, J. P; BRAZ, M. Economia política: uma introdução crítica. São Paulo: Cortez, 2006.

NOVICK, V. Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente e Educação Ambiental: concepções em disputa. Rio de Janeiro: mimeo (Relatório Final de Pesquisa/ FAPERJ), 2003. 

O'CONNORS, J. Es posible el capitalismo sostenible? In: ALIMONDA, H. (Org.). Ecología política: naturaleza, sociedad y utopia. Buenos Aires: CLACSO, 2002.

OLABARRIAGA, Néri. Redes de educação ambiental: um meio como proposta pedagógica para o mundo entrelaçado. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2007. 

OLIVEIRA, E. M. de. Cidadania e educação ambiental: uma proposta de educação no processo de gestão ambiental. Brasília: Edições Ibama, 2003.

ORGANICISTA, J. H. O debate sobre a centralidade do trabalho. São Paulo: Expressão Popular, 2006. 

PADILHA, V. Shopping Center: a catedral do consumo. São Paulo: Boitempo, 2007. 

PELIZZOLI, M.L. Ética ambiental como responsabilidade universal: notas de uma inspiração budista. In: Revista de Estudos Universitários. V.1, n. 1 (jul/dez.1968) Sorocaba, SP: Uniso, 1968, PP. 109 – 121.

PHILIPPI JÚNIOR, Arlindo; SILVA NETO, Antonio J. Interdisciplinaridade em Ciência, tecnologia & inovação. Barueri, São Paulo: Manole, 2011.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Geografia da riqueza, fome e meio ambiente: pequena contribuição crítica ao atual modelo agrário/agrícola de uso dos recursos naturais. Inter Thesis, Florianópolis, 2004.

_______. Natureza e sociedade: elementos para uma ética da sustentabilidade. In: QUINTAS, J. S. (Org.) Pensando e praticando a educação ambiental na gestão do meio ambiente. Brasília: IBAMA, 2000.

PROGRAMA DE EDUCOMUNICAÇÃO SOCIOAMBIENTAL. Documento técnico número 2: Programa de Educomunicação Socioambiental. Órgão Gestor da Política Nacional de Educação Ambiental. Ministério do Meio Ambiente. Brasília, 2005. Disponível em: http://www.mma.gov.br.

PROGREBINSCHI, T. O enigma do político: Marx contra a política moderna. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

PRZEWORSKY, A. Capitalismo e social-democracia. São Paulo: Companhia das Letras, 1989. 

_______. Estado e economia no capitalismo. Rio de Janeiro: Relume-Dumará,1995. 

QUINTAS, J. S. (Org.). Pensando e praticando a educação ambiental na gestão do meio ambiente. Brasília: IBAMA, 2000.

QUINTAS, J. S. Educação no processo de gestão ambiental pública: a construção do ato pedagógico. In: LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P P; CASTRO, R. S. (Orgs.) Repensar a educação ambiental: um olhar crítico. São Paulo: Cortez, 2009.

_______. Educação no processo de gestão ambiental: uma proposta de educação ambiental transformadora e emancipatória. In: LAYRARGUES, P P (Org.) Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: DEA/MMA, 2004. 

RODRIGUES, Arlete Moysés. Manejo integrado, risco e vulnerabilidade social. Evitar tragédias, corrigir problemas? In: LEMOS, Amália Inês Geraiges de; ROSS, Jurandyr Luciano Sanches; LUCHIARI, Ailton (orgs.). América Latina: sociedade e meio ambiente. São Paulo: Expressão Popular, 2008. 

RIOS, Aurélio Virgílio Veiga (org.). O Direito e o desenvolvimento sustentável: curso de direito ambiental. São Paulo: Peirópolis; Brasília, DF: IEB – Instituto Internacional de Educação do Brasil, 2005.

SACHS, I. Dilemas e desafios do desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2007.

_______. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2002 .

_______. Ecodesenvolvimento: crescer sem destruir. São Paulo: Vértice, 1986.

SADER, E. (Org.). Contragoipes: seleção de artigos da New Left Review, São Paulo, Boitempo, 2006. 

SANTOS JÚNIOR, Orlando Alves; RIBEIRO, Luiz Cesar de Queiros; AZEVEDO, Sérgio de.  Democracia e gestão local: a experiência dos conselhos municipais no Brasil. IN: SANTOS JÚNIOR, Orlando Alves; RIBEIRO, Luiz Cesar de Queiros; AZEVEDO, Sérgio de.  Governança democrática e poder local: a experiência dos conselhos municipais no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, Fase, 2004. 

SANTOS, Milton. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico- informacional. São Paulo: Hucitec,1994.

SANTILLI, Juliana. Socioambientalismo e novos direitos: proteção jurídica à diversidade biológica e cultural. São Paulo: Editora Peirópolis, 2005.

SAVIANI, D. A pedagogia no Brasil: história e teoria. Campinas: Autores Associados, 2008. 

SILVA, R. F. B. Lavapés, água e vida: nos caminhos da educação ambiental. São Paulo: editora Lar Anália Franco, 2008.

SINGER, P. Políticas públicas para uma economia solidária no Brasil In: LIANZA, Sidney e ADDOR, Felipe (orgs). Tecnologia e desenvolvimento social e solidário. Porto Alegre, UFRGS, 2005.  

SOARES, Ismar de Oliveira. Educomunicação, caminho para a cidadania. [on line]. Publicado em 02/04/2004 - 02:00. Disponível em: http://www.universia.com.br/html/materia/ materia_dcbj.html. Arquivo capturado em 15 de dez. 2005.

______. Educommunication. São Paulo: NCE-ECA/USP, 2004 apud MMA. Ministério do Meio Ambiente. Órgão Gestor da Política Nacional de Educação Ambiental. Programa de Educomunicação Socioambiental. Série Documentos Técnicos – 2. Brasília, 2005.

SOUSA SANTOS, B. Os novos movimentos sociais. In: LEHER, R. e SETÚBAL, M. (Orgs.). Pensamento critico e movimentos sociais: diálogos para uma nova práxis. São Paulo: Cortez, 2005.

_______. Reinventar a democracia: entre o pré-contratualismo e o pós-contratualismo. In: HELLER, A (Org.). A crise dos paradigmas em ciências sociais e os desafios do século XXI. Rio de Janeiro: Contraponto, 1999. 

UNESCO. Educação ambiental: as grandes orientações da Conferência de Tbilisi. Brasília: IBAMA. MMA, 1997.

_____. Década da educação das nações unidas para um desenvolvimento sustentável 2005-2014. Brasília: UNESCO, 2005.

UNITED NATIONS ENVIRONMENT PROGRAMME. Towards a Green economy: pathways to sustainable development and poverty eradication. S. 1: Unep, 2011.

RAPPAPORT, Roy. Pigs for the ancestors. New Haven: Yale University Press, 1968.

ROUANET, Luiz P. A idéia da razão pública em Rawls. In: CUPANI, Alberto O.; MORTARI, César A. (orgs.) Linguagem e filosofia. Anais do II Simpósio Internacional Principia. Florianópolis: UFSC-NEL, 2002.

SANTOS, Milton. Paisagem e espaço. In: Metamorfoses do espaço conquistado. São Paulo. Hucitec, 1994, PP. 67-81.

SCHMINK, Marianne; WOOD, Charles H. The “political ecology” of Amazonia. In: LITTLE, P. D.; HOROWITZ, M. M.; NYERGES, E. (Ed.). Lands and risk in the Third World. Boulder: Westview Press, 1987. p. 38-191.

SORRENTINO, Marcos; TRAJBER, Rachel; MENDONÇA, Patrícia; FERRARO JUNIOR, Luiz Antonio. Educação ambiental como política pública. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 31, n. 2, p. 285-299, 2005.

STEWARD, Julian H. Basin-Plateau aboriginal sociopolitical groups. Bulletin 120. Washington: Smithsonian Institute, Bureau of American Ethnology, 1938.

_______. Theory of culture change. Urbana: University of Illinois Press, 1955.

THOMPSON, E. P. A formação da classe operária inglesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002. 

UNGER, Mangabeira. O encantamento do humano: ecologia e espiritualidade. São Paulo: Loyola, 1991.

VEIGA, I. P. A. Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. Campinas: Papirus, 1995. 

VEIGA, José Eli da. A emergência socioambiental. São Paulo: Editora SENAC, 2007.

VEIGA, Alinne; AMORIM, Érica; BLANCO, Maurício. Um retrato da presença da educação ambiental no ensino fundamental brasileiro: o percurso de um processo acelerado de expansão. Brasília: MEC. INEP, 2005.

VEYRET, Yvette (org.). Os riscos: o homem como agressor e vítima do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 2007.

VEYRET, Yvette & RICHEMOND, Nancy Meschinet. Representação, gestão e expressão especial do risco. In: Os Riscos: o homem como agressor e vítima do meio ambiente. Veyret, Y.(org.), São Paulo: Contexto, 2007.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

_______. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

ZHOURI, Andréa. LASCHEFSKI, Klemens. PEREIRA, Doralice Barros. Introdução. In: A insustentável leveza da política ambiental – desenvolvimento e conflitos socioambientais. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

Controle Social. Disponível em: http://www.tvebrasil.com.br/salto/boletins2001/cont/cont0.htm Acesso em: 23 de julho de 2010.

Consciência crítica. Disponível em: www.fag.edu.br/.../CONSCIÊNCIA%20CRÍTICA%20E%20FILOSOFIA.ppt. Acesso em 23 de julho de 2010.

Núcleo de Referência em Educação Ambiental

Universidade do Estado do Rio de Janeiro | Campus Maracanã
Rua São Francisco Xavier, 524 | Pavilhão João Lyra Filho
Faculdade de Educação, 12° andar, Bloco F, Sala 12.005
+55 (21) 2334-0824 / 2334-0825 | This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.