Slide 1

Atualizações Recentes

Nuredam/UERJ

Busca

A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | P | Q | R | S | T | U | V | Z | Referências

Reciclagem - retorno ao sistema de produção de materiais descartados (papel, vidro, latas etc...) ou restantes de processos produtivos e de consumo, para destiná-losà fabricação de novos bens, com o objetio de economizar recursos e energia (MMA/MEC/IDEC, 2005). 

 

Recursos ambientais -  este termo, de conotação utilitarista, refere-se aos componentes da natureza dos quais dependemos para sobreviver. Segundo a Lei n. 6.938/81, eles são: a atmosfera, as águas interiores, superficiais e subterrâneas, os estuários, o mar territorial, o solo, o subsolo, os elementos da biosfera, a fauna e a flora. Os recursos ambientais, por meio do trabalho humano, dão origem a diversos produtos e mercadorias, mas eles também prestam diversos serviços inestimáveis à sociedade tais como: regulação do clima, produção de oxigênio, recarga de aquíferos, depuração da qualidade da água e fertilização do solo. (LOUREIRO, 2012).

Renascimento - período abrangente de apogeu cultural que se iniciou em fins do século XIV, na Itália, expandindo-se ao longo dos séculos XV e XVI. A volta ao humanismo greco-romano foi característica desse momento, assim como a invenção da bússola e da pólvora, inicialmente, e do telescópio, mais tarde, que propiciaram grandes descobrimentos e supremacia européia sobre as culturas americana e asiática. Também a impressão de livros foi importante por contribuir para a difusão dos pensamentos dessa época, enfraquecendo o papel da Igreja como transmissora de conhecimentos. Nesse período, desenvolveu-se um novo método científico, o empírico, que investigava a natureza por meio da experiência e dos experimentos.

Reificação – coisificação, transformação em coisa. Segundo Georg Lukács (1885-1971), alargando e enriquecendo um conceito de Karl Marx (1818-1883), refere-se ao processo histórico inerente às sociedades capitalistas, caracterizado por uma transformação experimentada pela atividade produtiva, pelas relações sociais e pela própria subjetividade humana, sujeitadas e identificadas cada vez mais ao caráter inanimado, quantitativo e automático dos objetos ou mercadorias circulantes no mercado. Qualquer processo em que uma realidade social ou subjetiva de natureza dinâmica e criativa passa a apresentar determinadas características - fixidez, automatismo, passividade - de um objeto inorgânico, perdendo sua autonomia e autoconsciência.

Resiliência - É a medida de capacidade de um ecossistema persistir na presença de uma perturbação (Holling, 1973). 

Risco - o risco associa-se a priori às noções de incerteza, exposição ao perigo, perda e prejuízos materiais, econômicos e humanos em função de processos de ordem "natural" (tais como os processos exógenos e endógenos da Terra) e/ou daqueles associados ao trabalho e às relações humanas (CASTRO et al., 2005, p.12). Para Veyret (2007, p. 23), é a tradução de uma ameaça, de um perigo para aquele que está sujeito a ele e o percebe como tal. Existe em relação a uma sociedade que o apreende por meio de representações mentais e práticas específicas, ou seja, o risco é uma construção social.

Riscos ambientais - o risco associa-se a priori às noções de incerteza, exposição ao perigo, perda e prejuízos materiais, econômicos e humanos em função de processos de ordem "natural" (tais como os processos exógenos e endógenos da Terra) e/ou daqueles associados ao trabalho e às relações humanas (CASTRO et al., 2005, p.12). Para Veyret (2007), é a tradução de uma ameaça, de um perigo para aquele que está sujeito a ele e o percebe como tal. Existe em relação a uma sociedade que o apreende por meio de representações mentais e práticas específicas, ou seja, o risco é uma construção social.

são perigos prováveis e em certa medida previsíveis, decorrentes de atividades vinculadas à cadeia produtiva, cuja percepção está em função da posição social que cada grupo ou pessoa ocupa. A percepção técnica do risco ambiental tende a ser diferente da percepção dos grupos comunitários, o que, pensando em termos de educação ambiental, exige diálogo e capacidade de compreensão mútua para que seja determinado de modo o mais preciso possível. (LOUREIRO, 2012).

Núcleo de Referência em Educação Ambiental

Universidade do Estado do Rio de Janeiro | Campus Maracanã
Rua São Francisco Xavier, 524 | Pavilhão João Lyra Filho
Faculdade de Educação, 12° andar, Bloco F, Sala 12.005
+55 (21) 2334-0824 / 2334-0825 | This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.