Slide 1

Atualizações Recentes

Nuredam/UERJ

Busca

A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | P | Q | R | S | T | U | V | Z | Referências

Fator limitante - qualquer atributo ambiental que serve como parâmetro empírico, o qual, ao ocorrer abaixo do seu ótimo, impede um organismo de desenvolver seu potencial biológico. (LOUREIRO, 2012).

Fenomenologia – em sua obra Neues Organon (1764), Lambert introduz a palavra “fenomenologia” para designar “a teoria da aparência”, o fundamento de todo o saber empírico. Nos Princípios metafísicos da ciência natural, Kant refere-se a uma phenomenologia generalis que deveria preceder a metafísica e traçar uma linha divisória entre o mundo sensível e o inteligível, a fim de evitar transposições ilegítimas de um para o outro. Hegel chama “fenomenologia do Espírito” à ciência que mostra a sucessão das diferentes formas ou fenômenos da consciência até chegar ao saber absoluto. É corrente, hoje em dia, distinguir pelo menos entre três “espécies” de fenomenologia: a transcendental (centrada em Husserl e seus seguidores), a existencial (manifestada de modos diversos em Sartre e Merleau-Ponty) e a fenomenologia hermenêutica.

Finalismo – doutrina que admite a causalidade do fim, no sentido de que o fim seja a causa total da organização do mundo e a causa dos acontecimentos isolados.

Forças produtivas - Conjunto de elementos que permitem o processo de trabalho. Esse conjunto é composto por: meios de trabalho (o que permite a realização do trabalho - ferramentas, instrumentos, e também a terra enquanto meio universal); objetos de trabalho (tudo sobre o qual incide o trabalho - recursos naturais modificados ou não pela ação humana); força de trabalho (energia humana despendida para o processo de trabalho). As forças produtivas operam sob relações entre os seres humanos e a natureza e entre estes que são historicamente determinadas. Tal conjunto de relações sociais e forças produtivas constituem as relações de produção. (LOUREIRO, 2012).

Formação humana - pressuposto básico de uma ontologia que entende que o ser humano só se define enquanto tal ao se constituir socialmente. Ou seja, não nascemos prontos, mas nos constituímos enquanto sujeito pelo conjunto de relações que estabelecemos e sintetizamos ao longo da vida. Formarmo-nos como pessoa significa incorporarmos em nossas subjetividades valores, condutas, conhecimentos e ideias criados pelas gerações anteriores e retrabalhados por cada um de nós. Isso implica reconhecer que a formação tem na educação institucionalizada um componente forte na sociedade atual, mas que outros processos sociais também são indispensáveis (atuação em movimentos sociais, vida comunitária e familiar, atividades coletivas várias etc.). (LOUREIRO, 2012).

Fundamento - conjunto de princípios a partir dos quais se pode fundar ou deduzir um sistema, um agrupamento de conhecimentos (Dicionário Eletrônico Houssais).

Fractal - O termo foi cunhado em 1975 por Benoît Mandelbrot, matemático francês nascido na Polônia, que descobriu a geometria fractal na década de 70 do século XX, a partir do adjetivo latino fractus, do verbo frangere, que significa quebrar.
Um fractal (anteriormente conhecido como curva monstro) é um objeto geométrico que pode ser dividido em partes, cada uma das quais semelhante ao objeto original. Diz-se que os fractais têm infinitos detalhes, são geralmente auto-similares e independem de escala. Em muitos casos, um fractal pode ser gerado por um padrão repetido, tipicamente um processo recorrente ou iterativo.

Núcleo de Referência em Educação Ambiental

Universidade do Estado do Rio de Janeiro | Campus Maracanã
Rua São Francisco Xavier, 524 | Pavilhão João Lyra Filho
Faculdade de Educação, 12° andar, Bloco F, Sala 12.005
+55 (21) 2334-0824 / 2334-0825 | This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.