Slide 1

Atualizações Recentes

Nuredam/UERJ

Busca

Divulgações

Série pretende apoiar a formação de agentes populares na agricultura familiar. Até o final do ano, serão sete títulos.

Por: Marta Moraes – Editor: Marco Moreira

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) disponibiliza mais duas publicações digitais do curso “Formação de agentes populares de educação ambiental na agricultura familiar”, que abordam o cenário rural brasileiro e o planeta Terra. Ao todo, a série terá sete livros, que serão oferecidos até o final do ano. Em setembro já haviam sido disponibilizados dois volumes no site do MMA.

O objetivo do curso é formar agentes populares capazes de identificar e refletir de forma crítica as questões socioambientais em seu território. A partir da sensibilização e mobilização social, o curso pretende colaborar com ações que propiciem condições de vida digna no meio rural, conservação ambiental e sustentabilidade dos agroecossistemas. Para alcançar esse objetivo, a cada temática o aluno passa a ter contato com uma diversidade de conteúdos e problemáticas. É o caso desses dois novos volumes.

O agente popular de educação ambiental pode contribuir decisivamente para a transformação do ambiente em que vive e para o bem-estar das pessoas ao seu redor. O papel do agente popular de educação ambiental para agricultura familiar é, portanto, o de estimular a reflexão da sua comunidade sobre a situação socioambiental vivida. Sua atribuição é divulgar e incentivar que a comunidade atue nos espaços de participação e controle social das políticas públicas de agricultura, educação e meio ambiente de sua região

DESAFIOS

Segundo o secretário executivo da Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), Denis Monteiro, existem muitos desafios no campo da educação ambiental. “Há um mito de que para produzir mais, é preciso que o agricultor seja especializado em uma ou duas culturas e que utilize fertilizantes sintéticos, sementes transgênicas e agrotóxicos”, afirmou ele.

“Pouco se divulga sobre os impactos negativos dessas opções para a saúde dos agricultores, para os solos e as águas, para a biodiversidade e para os consumidores”.
Monteiro destacou ainda que o maior desafio da educação ambiental é conscientizar a sociedade, agricultores, consumidores e estudantes, sobre esse assunto. “Por outro lado, temos no Brasil muitas experiências bem-sucedidas de famílias agricultoras que trabalham com os princípios da agroecologia”, afirmou. “Mas este trabalho é desconhecido pela maioria da população, até mesmo pela maioria dos agricultores. Portanto, outro desafio fundamental da educação ambiental é divulgar essas experiências, incentivando as boas práticas”.

NOVAS EDIÇÕES

No volume 3 da série, “O Cenário Socioambiental Rural Brasileiro e as Formas de Organização Social e Produtiva no Campo e na Floresta”, é possível encontrar informações sobre a questão agrária no Brasil, o pacote tecnológico da revolução verde e o agronegócio; a agricultura tradicional, indígena e o agroextrativismo. Além disso, o livro aborda a multifuncionalidade da agricultura familiar e seu papel na manutenção da família no campo e de sua cultura; o papel histórico das lutas camponesas; e as políticas públicas que estimulam e fortalecem a agricultura familiar e práticas mais sustentáveis na agricultura.

Já no volume 4, “O Planeta Terra: Um Sistema Vivo”, são abordados os conceitos de tecnologia apropriada, tecnologia social e tecnologia convencional; a dinâmica da vida na Terra e sua relação com as cadeias tróficas, a biodiversidade, a sucessão natural, a água e o clima. O livro traz também dados sobre os biomas brasileiros, o que é um sistema, e a concepção da Terra como um sistema vivo.

CURSO

Além das publicações, o Departamento de Educação Ambiental do MMA prepara edital para a seleção de instituições parceiras para a segunda edição do curso semipresencial de formação de agentes populares. O objetivo é selecionar instituições que apoiarão a realização do curso, desenvolvido por meio do Ambiente Virtual de Aprendizagem do MMA.

A primeira edição do curso, realizada entre agosto de 2014 a janeiro de 2015, contou com a participação de 13 instituições de norte a sul do País. Cada uma delas poderia formar até cinco turmas, com 40 alunos. Foram formados 356 novos agentes.

Assessoria de Comunicação Social (Ascom/MMA) - (61) 2028.1173

Acesse aqui as quatro publicações disponíveis até agora. 

Uma análise sobre o Facebook do renomado e premiado sociólogo polonês Zygmunt Bauman.

 

Na prática cotidiana da sala de aula, a avaliação é um grande desafio para os educadores. 

Este é um convite não só ao estudo do tema, como também à transformação de nossas condutas, no sentido de aprendermos a nos servir da avaliação como uma aliada na busca da qualidade e eficiência em nossas atividades educativas escolares.

Gravado em: 29/08/1995

"Se o conceito de utopia, em séculos passados, já definiu o projeto de sociedades perfeitas, hoje precisa se contentar com conteúdos bem mais modestos: um projeto político para resolver questões atuais ou o afastamento do mundo, em direção à literatura e à filosofia.

Foram estas as possibilidades encontradas no debate entre o antropólogo, escritor e senador Darcy Ribeiro (PDT-RJ) e o psicanalista e escritor Rubem Alves, no dia 29/08 de 1995".

O autor encontra na transdisciplinaridade um caminho para reeducar a sensibilidade, motivar a imaginação inventiva e seduzir a razão.

Severino Antonio Moreira Barbosa nasceu em Cachoeira Paulista, SP, em 24 de novembro de 1951 .Atualmente, Prof.Dr. do Mestrado em Educação do UNISAL, São Paulo, trabalhando principalmente com educação, linguagem, poesia, utopia. Orientou mais de 50 Dissertações de Mestrado. Participou de mais de duas centenas de bancas de Mestrado e Doutorado.

Núcleo de Referência em Educação Ambiental

Universidade do Estado do Rio de Janeiro | Campus Maracanã
Rua São Francisco Xavier, 524 | Pavilhão João Lyra Filho
Faculdade de Educação, 12° andar, Bloco F, Sala 12.005
+55 (21) 2334-0824 / 2334-0825 | This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.